Sustentabilidade

O que nos diferencia dos restantes festivais

O Salva a Terra é Eco Festival, que tem como principal objectivo a angariação de fundos para o CERAS-Centro de Estudos e Recuperação de Animais Selvagens. As receitas obtidas revertem a 100% para o CERAS.

É um Eco Festival 100% “Pro-Bono”, no qual toda a organização, artistas, formadores, guias, e restante equipa trabalham de forma voluntária em prol da preservação de algo que é de todos nós: a biodiversidade.

 

Divulgar a música desenvolvida em Portugal e no mundo ao nível de fusões, descobertas, confluências e reuniões de vários géneros musicais como: jazz, folk, blues, fusão, tradicional e fanfarra. Implicar os participantes (músicos e público) de forma activa na conservação da Natureza, fomentando o espírito participativo como única forma de verdadeiramente conhecer e compreender o meio natural, amá-lo e defendê-lo;

Dar a conhecer o património natural desta região assim como as suas tradições e costumes, reavivar Salvaterra do Extremo envolvendo os participantes no quotidiano da aldeia, alertando para as problemáticas do despovoamento associadas à desertificação e à perda da biodiversidade. Promover a partilha de ideias e experiências. Fomentar o trabalho de grupo, favorecendo a cooperação e integração dentro da comunidade onde se vai desenvolver o festival. A edição de 2013 do Salva a Terra ganhou o premio de festival mais sustentável no Portugal Festival Awards, um premio que reconhece o nosso esforço e que nos motiva a tentar ir mais longe nas próximas edições…

 

Entre outros exemplos das boas práticas ambientais que aplicamos no festival destacamos:

Sustentabilidade:

– O cariz ambiental e pedagógico das actividades desenvolvidas;

– O envolvimento real da população da aldeia nas actividades do festival, nomeadamente através de workshops por si desenvolvidos e também a realização de concertos intimistas nos quintais das casas de Salvaterra do Extremo;

– O consumo de produtos produzidos local e regionalmente na cantina do festival, dando naturalmente prioridade aos de produção em modo biológico; 

– Ementa vegetariana na cantina do festival

 

 

Resíduos e energia:

-Promoção da redução do consumo de embalagens e reciclagem de todos os resíduos da cantina (embalagens e resíduos orgânicos).

– Reutilização de materiais de outros festivais

-Utilização de iluminação eficiente nos parques de campismos (leds)

– A não utilização de plásticos e loiça descartável; promovendo o uso de caneca do festival e pratos reutilizáveis na cantina;

– A utilização de casas de banho secas (compostáveis) nos campismos; 

 

 

Mobilidade:

– Fomento da partilha de boleia e uso de bicicleta para chegar ao Salva a Terra (clica aqui para aderia ao grupo de boleias no FB) ;

– Utilização de bicicletas pela organização durante o evento;

– Compensação das emissões e da pegada ecológica da organização, artistas, formadores, guias e restante equipa, através da plantação de árvores autóctones pelo projecto “Criar Bosques” da Quercus ANCN no Parque Natural do Tejo Internacional.